Índia opta por restringir a entrada em plataformas globais de criptomoedas

Por Philip Lagerkranser e Sidhartha Shukla, Bloomberg

29/12/2023 08h36 Atualizado há um dia

A Índia aumentou as restrições às exchanges de criptomoedas estrangeiras, como a Binance, alegando que elas operam ilegalmente no país, e adotou medidas para bloquear o acesso de usuários locais a seus sites.

A Unidade de Inteligência Financeira emitiu avisos de conformidade para várias plataformas, incluindo Binance, Kraken, KuCoin e Huobi, e solicitou ao Ministério da Informação que bloqueasse os URLs de nove entidades, de acordo com um comunicado.

O governo indiano implementou disposições contra lavagem de dinheiro no setor de criptoativos este ano, intensificando a supervisão de ativos digitais em conjunto com outros países. Em 2022, as autoridades impactaram fortemente as plataformas locais de criptoativos ao introduzirem um imposto sobre as transações, resultando em uma queda nos volumes de negociação.

Um aviso de justificativa é emitido quando uma pessoa ou entidade é suspeita de má conduta. É um pedido oficial para comprovar que a pessoa ou entidade está cumprindo as leis indianas.

As plataformas de câmbio locais reclamaram que o novo imposto fez com que os traders de criptomoedas indianos migrassem para plataformas no exterior que não aplicam a taxa, prejudicando ainda mais suas receitas. Em outubro, o CEO da CoinDCX, Sumit Gupta, estimou que 95% do volume de negociações havia sido transferido para plataformas no exterior.

A Bloomberg News informou em 2021 que a agência indiana de combate à lavagem de dinheiro estava investigando se a Binance tinha alguma participação em um caso envolvendo aplicativos de apostas. Um porta-voz da Binance não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A Binance, a maior exchange de criptomoedas, tem enfrentado pressão crescente por parte de reguladores ao redor do mundo no último ano. Em novembro, a empresa concordou em pagar US$ 4,3 bilhões após se declarar culpada por falhas na prevenção à lavagem de dinheiro e violações de sanções dos EUA. Como parte do acordo com as autoridades dos EUA, o co-fundador e CEO Changpeng Zhao concordou em renunciar.

Siga nosso canal e receba as principais notícias do dia!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *