Dirceu percebe a direita ‘prevalecendo’ na disputa político-cultural e expressa a ‘falta de coragem’ do PT em relação a Haddad.

Por Valor — São Paulo
15/01/2024 19h40 Atualizado há 12 horas
O ex-ministro José Dirceu percebe uma situação desfavorável para a esquerda no país. Para ele, o PT precisa se atualizar porque a direita está se fortalecendo e está “vencendo” a disputa político-cultural em curso. Em uma entrevista promovida pelo diretório do PT na Bahia, Dirceu também pediu apoio público do próprio partido à política econômica liderada pelo ministro Fernando Haddad.

“O PT também precisa de uma atualização política, teórica, de organização, para enfrentar os desafios”, afirmou o ex-ministro, em entrevista ao Pod13, podcast do PT da Bahia, divulgada no domingo (14). Para Dirceu, falta ao partido apresentar e liderar um programa consolidado de desenvolvimento.

“Hoje, o Brasil está muito politizado, e em disputa político-cultural. E a direita está vencendo”, disse o ex-ministro, que vê partidos como PP, PR, PSD, PL, União Brasil mais fortalecidos. “[O poder] Não é apenas parlamentar e eleitoral, também diretórios, territórios e militância… PP, PR, PSD, PL, União Brasil, eles estão se fortalecendo.”

Dirceu já foi deputado federal e um dos principais aliados do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu primeiro mandato, quando Dirceu foi chefe da Casa Civil, entre 2003 e 2005. Ele deixou o governo devido às denúncias relacionadas ao mensalão, que resultaram em sua condenação e prisão anos depois.

Fora do governo atual, o ex-ministro elogiou a gestão de Haddad, que ele considera “realista e pragmática”. No entanto, Dirceu criticou a postura de membros do partido contrários às medidas defendidas pelo ministro da Fazenda. “No caso do Haddad, é quase covardia não apoiá-lo totalmente para aprovar todas as medidas que ele queria”, disse. “Porque todas as medidas que ele queria transformam o déficit zero em um mal menor. Sem essas medidas, o déficit zero se torna contingenciamento e corte”, complementou.

Ao longo de 2023, líderes do PT, incluindo a presidente do partido, deputada Gleisi Hoffmann, questionaram publicamente as propostas de Haddad para a área fiscal, considerando-as uma “política dura de austeridade”. Em entrevista ao jornal “O Globo”, o ministro da Fazenda expressou sua mágoa com essa ala do partido. A dirigente rebateu e afirmou ser um “direito do partido” fazer esses debates.

No entanto, Dirceu afirmou na entrevista que esses embates devem ser feitos internamente e, uma vez apresentadas, as propostas devem ser defendidas. “O partido [PT] tem que sustentar e apoiar o governo”, disse.

Siga nosso canal e receba as notícias mais importantes do dia!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *