A gestora quantitativa aposta que os stocks em países emergentes terão um desempenho superior aos dos Estados Unidos.

Por Bloomberg
15/01/2024 14h34 Atualizado há 17 horas
A gestora quantitativa AQR Capital, fundada pelo bilionário Cliff Asness, mantém sua aposta de que as ações de mercados emergentes terão um desempenho superior às ações americanas, apesar de essa aposta ter falhado nos últimos anos.
No ano passado, o principal fundo de ações de emergentes da AQR registrou um ganho de 17%, superando o índice de referência para o segmento, informou uma fonte familiarizada com o assunto. No entanto, esse desempenho ficou abaixo do que um investidor teria obtido simplesmente ao investir no S&P 500, que teve um crescimento de 24%. Essa foi a sexta vez consecutiva que os investidores que previram o declínio das ações dos EUA se decepcionaram.
No entanto, Dan Villalon, chefe do grupo de soluções de portfólio da AQR, acredita que os mercados emergentes terão um desempenho superior ao dos EUA a longo prazo. Ele fez uma previsão semelhante em junho do ano passado. A AQR tem cerca de US$ 8 bilhões de seus US$ 99 bilhões sob gestão investidos em uma carteira de ações de mercados emergentes.
“Os mercados emergentes têm o maior retorno esperado nos próximos cinco a dez anos”, disse o gestor em entrevista.
A previsão de que o domínio das ações dos EUA chegará ao fim coloca a AQR, uma gestora quantitativa sediada em Greenwich, Connecticut, em linha com outros grandes nomes do mercado, como a Morgan Stanley Investment Management, que administra cerca de US$ 1,3 trilhão. As ações emergentes, excluindo a China, tiveram um desempenho melhor, registrando os maiores ganhos anuais desde 2017.
“Muitos investidores estão subexpostos aos mercados emergentes”, disse Villalon. “Esses são mercados que muitos investidores simplesmente deixaram de lado devido ao domínio dos EUA na última década.”
De acordo com a AQR, isso é um erro. Para que as ações dos EUA continuem a superar as ações de outros países em desenvolvimento, “os valuations das ações americanas teriam que atingir níveis de bolha tecnológica”, afirmou o gestor. “Ainda acreditamos que há motivos para diversificar fora dos EUA.”

Siga nosso canal e receba as notícias mais importantes do dia!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *